Resultados de comunicação e de negócio: como conversar?

Resultados de comunicação e de negócio: como conversar?

Suzel Figueiredo

A frase soa como música nos meus ouvidos. Música de alta qualidade, como a que ouvi ontem, no Smetana Hall, aqui em Praga.  Há alguns anos frequento os Congressos Globais de Mensuração em Comunicação da AMEC – International Association for the Measurement and Evaluation of Communications. Esse ano está acontecendo na República Tcheca e reúne quase 300 profissionais de PR, Marketing, Data Science, IT Providers, entre outros. O mercado está aquecido, pois quando se reduz o investimento, é preciso apostar cada real da melhor forma possível e medir a eficácia do investimento.

Me chama a atenção a baixa presença de empresas latino americanas por aqui, o que me orgulha por representar a Ideafix, mas também me preocupa. Será que o nosso mercado de comunicação no Brasil e na América Latina vê pouco valor na mensuração e avaliação?

Mais de 50 nacionalidades estão representadas, entre eles países com economia que está entre 10 a 20% do PIB do Brasil. E eles estão aqui. Somos apenas três empresas latino-americanas e fico me perguntando porque essa falta de alinhamento global?

A mensagem mais comum até agora é a necessidade de acabar com os silos nas empresas. Muitas áreas geram dados: vendas, marketing, comunicação, ouvidoria, recursos humanos, SAC, mas é bem raro encontrar plataformas que consolidem, entendam e gerem sentido para os negócios.

Qual o impacto dos influenciadores na reputação? Qual o poder de gerar conteúdo pró e contra uma marca? Qual o risco envolvido nas ações de marketing e comunicação de uma marca? Detratores digitais afetam a receita?

Tecnologia não falta. Desde rastreamento, monitoramento de mídia em texto, áudio, vídeo e foto, em qualquer plataforma, inteligência artificial, learning machine, agregadores de dados, chegando até blockchain , que confesso ainda é muito sofisticado para mim. O problema é transformar essa avalanche de dados em conhecimento e geração de resultados para as empresas.

Ouvi de clientes globais que tudo é novo para o C-level, mas quando entendem os ganhos que a mensuração da comunicação traz, desejam métricas cada vez mais robustas. E  quando a demanda aumenta, nascem as oportunidades.

Profissionais de comunicação corporativa devem ocupar esse espaço, construir pontes com as diferentes áreas, trazer dados de vendas e marketing para conversar com mensuração de comunicação. Os problemas de reputação que as empresas enfrentam tem impactos concretos no faturamento, no valor das ações, na atração de talentos, nas comunidades do entorno.

As fronteiras das áreas internas estão caindo. Somos todos responsáveis pela reputação, ela não está fragmentada nem nas áreas, nem no budget. Que tal você ser a maestrina (ou maestro) desse desafio?